5 perguntas, 1 indicação: Manuela Bisognin Custódio!

O 5 perguntas e 1 indicação é uma seção do nosso blog em que entrevistamos pessoas que admiramos bastante! A ideia aqui é compartilhar os valores, visões e opiniões de quem usa a criatividade e a educação como pontos-chaves para a sua atuação. Tudo isso para fazer com que as bases de uma educação mais criativa se espalhem cada vez mais, nos mais diferentes contextos.

E a nossa convidada de hoje é a Manuela Bisognin Custódio! A Manuela é professora, mãe, empreendedora, curiosa e “desacomodada”, como ela mesmo diz. (Hahaha!) Formada em Letras – Inglês, Mestre em Ensino de Línguas e Especialista em TIC Aplicadas à Educação, ela já trabalhou com ensino de língua inglesa para pré-adolescentes, adolescentes e adultos, em vários ambientes – escola, curso livre e pré-vestibular, por exemplo. Hoje, Manuela é professora do curso de Letras da Universidade Franciscana, em Santa Maria – RS (onde trabalha na formação de futuros professores) e sócia/diretora/professora da Escola de Idiomas PBF, da Fundação Fisk – também em Santa Maria. Vamos lá!

1. Para você, o que é criatividade?

Para mim, criatividade é o exercício de nossas habilidades de inspiração, inovação, autenticidade e transformação. É a maneira com a qual eu me reinvento em cada situação, a partir da minha visão de mundo. Penso que a curiosidade, o timing e a experiência permitem colocar tua criatividade em prática.

2. Como ser mais criativo no dia a dia?

No dia a dia, precisamos estimular nossas habilidades. Precisamos olhar o que nos cerca de forma mais inspiradora e, para cada momento, sermos mais intuitivos, curiosos, autênticos. Cada situação te permitirá e exigirá uma reação diferente, e é aí que a gente se reinventa. A vontade de se adaptar, de não se acomodar – aliada à busca, pesquisa e estudo – leva-nos à criatividade. 

3. Você acha que aprender um idioma novo tem impacto no potencial criativo da pessoa?

Muito! Aprender idiomas te permite conhecer outras culturas, costumes, mundos e visões diferentes. Assim como a criatividade é fundamental para estimular o interesse do aluno e motivar seu aprendizado, o idioma te proporciona acessar mais informações, aumentando o teu repertório e permitindo fazer mais associações!

4. Como atividades lúdicas impactam o aprendizado dos alunos?

Muitas pessoas pensam que ludicidade é “coisa de criança”, mas quem não adora uma dinâmica ou atividade diferente em sala de aula?! Não existe idade limite para estimular a aprendizagem, ainda mais se for mais dinâmica e próxima da realidade do aluno. Tanto alunos quanto professores conseguem visualizar melhor o que estão aprendendo ou estudando por meio de atividades mais leves, cheias de objetivos e significados, porém criativas, “diferentes” do tradicional. Elas te tiram do teu ponto de referência e estimulam ainda mais o exercício mental. 

5. Quais atividades você recomenda para os pais utilizarem em casa como forma de complementar o aprendizado do inglês da escola ou do curso?

Como professora, eu recomendaria diversas atividades, apps, livros… Agora, como mãe que tenta fazer os filhos de cobaia e professora, eu recomendo que os pais busquem inserir o idioma na rotina da casa. Seja ao assistir a desenhos e filmes, ao ouvir músicas, ler pequenas histórias ou até mesmo nas atividades mais essenciais, como chamar para almoçar, “mandar” para o banho, pedir que lave a louça ou que faça as tarefas da escola. Falar sobre viagens, países e culturas, mesmo que em português, mexe com a curiosidade! Tentem mostrar o idioma de forma natural, sem pressão, correção ou estudo de regras. Deixem que o idioma, seja ele qual for, apareça naturalmente na rotina. 

Indique alguma coisa que precisamos passar adiante (Filme, série, livro, qualquer coisa)!

Para estudar idiomas e conhecer o mundão aí fora, nada melhor do que ir à fonte! Tem perfis muito legais de nativos que nos dão verdadeiras aulas!!

Um perfil que super indico é do @talktoross. Irlandês apaixonado pelo Brasil, ele dá show ao falar de história, cultura e curiosidades. Um jeito diferente de aprender a aprimorar o idioma, sem focar o estudo mais tradicional da língua.

Para quem prefere perfis sobre pontos específicos da gramática da língua inglesa, indico o @corkenglishteacher. O John é uma mistura de gramática ambulante, com aplicação do inglês no dia a dia. Ambos têm canal no Youtube também. 

* Este artigo do Imagine-me foi revisado por Julio Cunha Neto, do Português de Boa.