16 filmes para assistir com as crianças

Manter as crianças entretidas em casa não é uma tarefa fácil, mas existem algumas atividades que podem ajudar a passar o tempo e também trazer mais diversão para a família. Assistir um filme com as crianças pode ser uma ótima opção, principalmente para os dias mais frios ou chuvosos! 

Na hora de escolher um filme para assistir na companhia dos pequenos, fique de olho na sinopse e na classificação de idade indicativa. Hoje, vamos optar pelos filmes inspiradores, educativos e divertidos para deixar a experiência ainda melhor!

Confira abaixo, 16 filmes para assistir com as crianças!

  1. Os Incríveis 

A animação é perfeita para trazer um pouco de aventura e boas risadas em família. O Sr. Incrível, a Mulher Elástica e as crianças vestem novamente seus uniformes para vencer o mal. 

  1. Frozen – Uma aventura congelante

O filme é um grande sucesso entre as crianças! Ele é uma ótima alternativa para reforçar o amor e união entre os irmãos, além de trazer boas doses de humor com o boneco de neve Olaf. 

  1. Valente 

A animação é uma ótima opção para reforçar valores como a liberdade feminina e também a relação entre família. A personagem Merida, não aceita se casar com um príncipe e seguir a tradição. Irritada com a situação, ela encontra uma bruxa e entra em uma boa confusão. 

  1. A Era do Gelo 

A sequência proporciona muita diversão com os personagens Sid, Manny, Diego e o pequeno esquilo Scrat. Durante o filme, os personagens enfrentam boas aventuras e passam uma lição sobre amizade, desafios e confiança!

  1. As Aventuras de Nárnia

Qual criança nunca imaginou um universo inteiro dentro do seu próprio guarda-roupas? O filme Nárnia é ótimo para quem tem uma boa imaginação, com muita aventura e criaturas inimagináveis. O filme apresenta ensinamentos sobre confiança e justiça, de uma forma mágica!

  1. O bom dinossauro 

Pode parecer um filme com uma narrativa simples, mas ele é ótimo para as crianças terem uma visão sobre enfrentar os seus medos e descobrir a sua força, além de reforçar a amizade. Vale conferir!

  1. Ratatouille

Já imaginou um ratinho na sua cozinha? Depois de assistir ao filme, sem dúvidas a criançada vai amar a ideia! heheh O pequeno ratinho cozinheiro é capaz de conquistar os corações de quem o assiste. Ele proporciona a ideia de enfrentar o que for preciso para ir em busca de um sonho. 

  1. Procurando Nemo 

Uma ótima opção para reforçar a amizade e a família, através de uma ótima aventura no mar! Sem dúvidas a dupla Marlin e Dory, vão deixar o seu dia ainda melhor. 

  1. Up! Altas Aventuras

Ahh, uma casa nas alturas! Seria incrível dar uma voltinha por aí, né?! As crianças vão adorar passar uma tarde na companhia do pequeno Russel, um garotinho de 8 anos super aventureiro que irá embarcar em uma aventura incrível com o Sr. Carl Fredricksen (e, claro, o cachorro Dug!).

  1. Monstros S.A.

Outra dupla que vai deixar o dia ainda mais divertido em família: Mike e Sulley. O filme tem uma ótima narrativa sobre amizade e traz uma outra ideia sobre os monstros. As crianças podem acabar se encantando por eles!

  1. Minions

As pequenas criaturinhas que possuem uma língua própria possuem um único objetivo: servir aos maiores vilões. O que tem tudo para ser uma história do mal, se transforma em um filme super divertido! 

  1. A fuga das galinhas

A galinha Ginger e suas companheiras vão proporcionar um momento super divertido para a sua família! Uma história criada para darmos boas risadas e aprendermos sobre dedicação e perseverança. As galinhas bolam um super (e aventureiro) plano junto ao galo Rocky para fugirem do galinheiro. 

  1. O gato de botas

Quem aí já viu o Gato do filme Shrek? Com aquele olhar marcante, ele ganhou o seu próprio filme e é uma ótima alternativa para a família. Com o objetivo de limpar a sua honra, o corajoso, sedutor e carismático Gato de Botas proporciona uma história super divertida!

  1. Carros

Para as crianças que adoram uma aventura e carrinhos em alta velocidade, Carros é uma ótima opção! O filme proporciona ação, diversão e muita amizade entre os roncos dos motores. 

  1. Meu Malvado Favorito

Lembra que indicamos o filme Minions, ali em cima? Eles permanecem com força total, dessa vez ao lado do grande vilão Gru. O filme é divertido e proporciona bons ensinamentos sobre amizade e confiança! 

  1. Moana – Um mar de aventuras

Moana é filha do líder da ilha e descobre que tem poderes relacionados à água. O filme é uma grande aventura na ilha e conta com boas doses de coragem e amizade!

E aí, já podemos preparar a pipoca? Opções não faltam para uma tarde cheia de aventuras e boas risadas em família. Aproveite as dicas e se vocês gostam de maratonar, uma ótima opção entre um filme e outro é fazer uma pausa para um lanchinho! 

Clique aqui e descubra como transformar a hora do lanche em um momento criativo!

Foto por Serhii_bobyk – www.freepik.com

O tédio X criatividade infantil

Como os momentos de tédio podem ser eficazes para o desenvolvimento da criatividade nas crianças? 

De acordo com o Dr. Sandi Mann, psicóloga da University of Central Lancashire na Grã-Bretanha, quando ficamos entediados o cérebro sai do consciente e entra no subconsciente, absorvendo e refletindo sobre situações conhecidas. 

Em 2013, a Dra. Mann publicou os resultados de um estudo sobre o tédio. No estudo, ela pediu para que os participantes imaginassem formas inventivas de utilizar dois copos de espuma. A Dra. descobriu dessa forma que as pessoas que tinham acabado de passar um tempo realizando tarefas entediantes tinham ideias mais originais do que os seus colegas que não haviam passado por essa experiência.

A pesquisa concluiu que quando estamos vivendo uma situação tediosa, a nossa mente começa a procurar estímulo em suas mentes subconscientes. Sem dúvida, no subconsciente se produz um pensamento inovador.

Nós, adultos, temos a ideia padrão de que a criança precisa estar sempre ocupada. Seja na escola, na aula de música, nos esportes, precisamos preencher o tempo das crianças para que elas tenham um bom desenvolvimento, certo? É claro que ter uma rotina e atividades diversas é importante para o desenvolvimento, mas os momentos tediosos são altamente eficazes para que as crianças sejam capazes de ocupar o tempo à sua própria maneira.

Clique aqui e confira 04 dicas para ter uma rotina criativa com as crianças!

Neste momento em que muitas crianças ainda não retomaram a rotina presencial, é natural que ela se sinta com tédio por grande parte do dia. Afinal, estar em casa é muito difícil para uma criança que está acostumada a ver os coleguinhas, brincar em diversos espaços e ter uma vida mais ativa. 

Por isso é importante estarmos atentos para estimulá-los a transformar o tédio em energia para criar. Você pode dar dicas e sugerir caminhos para que a criança crie a partir deste início. Veja alguns exemplos para instigar a criatividade nos momentos livres: 

“E se a gente fizesse algo com as massinhas de modelar?” 

“O que poderíamos fazer com essas tampinhas de garrafa pet?” 

“O que acha de testarmos umas colagens? Eu posso te ajudar!” 

Muitas vezes as crianças não encontram estímulos para começar algo novo, mas você pode sugerir, apresentar novos materiais e deixar ela escolher o que fazer. Elas precisam desse tempo para identificar oportunidades, assimilar seus pensamentos, conhecer os seus próprios processos de criação e reconhecer o mundo ao seu redor. 

Uma rotina tediosa pode ser uma grande chance de conhecer novas brincadeiras e atividades. Aproveite para criar estímulos ao longo do dia e deixe o espaço livre. Vale lembrar que o estímulo não é uma insistência para que a criança crie e sim um pequeno incentivo, caso você sinta essa necessidade. 

Fonte: 

Pesquisa Dra. Sandi Mann

BBC News “As crianças deveriam ficar entediadas”

Foto por Mika Baumeister no Unsplash.

Metas e planejamento infantil, por onde começar?

Início de ano combina com planejamento e organização das atividades, e com os pequenos não poderia ser diferente. Com a pandemia, nem todas as crianças darão início ao ano letivo, mas algumas tarefas podem ajudar a manter o ritmo em casa. 

Ter uma rotina com as crianças é importante para que eles tenham noção de tempo, saber quando é o momento de almoçar, de dormir, de brincar, de tirar férias. A pandemia trouxe este grande desafio aos adultos que precisaram encontrar maneiras de manter uma rotina sem sair de casa e claro, entreter os pequenos. 

A rotina escolar é, sem dúvidas, uma maneira de introduzir desde cedo o hábito de se planejar. Seja através das tarefas rotineiras ou entender a duração dos dias, dos finais de semana e por aí vai. Mas como podemos começar este trabalho? Como construir uma rotina e um planejamento com as crianças? 

  • Quadro de Rotina

Uma ótima maneira de trazer a rotina para a vida das crianças é montar um quadro e transformar a lista de atividades do dia em uma ótima brincadeira! Você pode montar um quadro com os dias da semana e convidar a criança para adicionar suas atividades. Para ficar ainda mais legal, utilize adesivos e materiais diferentes como papel colorido, colagens e o que tiver por aí, para deixar o quadro bem colorido. 

  • Desenvolvendo pequenas metas

O hábito de ter metas pode ser um aliado na hora de estipular a sua rotina e com as crianças, como podemos adaptar essa ideia? Estimule a criação de pequenas metas com as crianças. Coloque no Quadro de Rotina, algumas metas que a criança deseja alcançar (converse e explique como pode ser legal ter uma meta por semana, uma meta simples para que a criança se esforce para alcançá-la!) 

“Muitas vezes, os adultos acabam projetando nos filhos as realizações que gostariam de atingir. As crianças de hoje são ‘adultizadas’ e delas é exigido agir como adultos responsáveis. Isso vai desde a agenda atribulada até às roupas e acessórios. Essa ‘adultização’, entretanto, não significa maturidade”, explica Jandyra Kondera, psicóloga clínica do serviço de Psicologia da Unimulti, do Hospital das Clínicas da UFPR.

Existem algumas atividades e pequenas metas que você pode adicionar na rotina das crianças, sem uma pressão para que a rotina fique pesada ou “adulta” demais. 

Exemplos de pequenas atividades para sugerir às crianças, de acordo com a idade: 

Até 05 anos de idade:

  • “Guardar os brinquedos após utilizá-los”;
  • “Vou deixar meus pais escovarem os meus dentes”;
  • “Ajudar os adultos a preparar uma refeição na semana”; 
  • “Ajudar a alimentar os bichinhos de estimação da casa”.

Entre 06 e 10 anos de idade: 

  • “Arrumar a própria cama ao acordar”;
  • “Regar as plantinhas da casa”;
  • “Vou tomar água várias vezes ao dia”;
  • “Momento para a leitura na semana”;
  • Metas relacionadas ao ensino, como um momento para as tarefas escolares. 

O cotidiano é aquilo que vivemos no dia a dia, no presente. É o que acontece, a dimensão concreta da vida. Ele inclui o que planejamos, mas também o inesperado. A rotina é uma estratégia utilizada pelos seres humanos para organizar seu cotidiano.

Fonte: LOPES, Karina Rizek; MENDES, Roseana Pereira; FARIA, Vitória Líbia Barreto de (Org.). Livro de estudo: Módulo III Brasília: MEC. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação a Distância, 2006. 74p. (Coleção Proinfantil).

A intenção de estabelecer pequenas metas e objetivos é ensinar sobre como podemos melhorar com a rotina. Uma atividade difícil ou chatinha, com a prática pode se tornar rotineira. Não é a busca pela perfeição nas atividades e sim a intenção em melhorar e ter uma meta a ser alcançada.  🙂

Fontes: 

Guia Infantil

Gazeta do Povo

5 perguntas, 1 indicação: Tiago Henriques!

O 5 perguntas e 1 indicação é uma seção do nosso blog em que entrevistamos algumas pessoas que admiramos bastante! A ideia aqui é compartilhar os valores, visões e opiniões de pessoas que usam a criatividade e educação como bases para a sua atuação. Tudo isso para fazer com que as bases de uma educação mais criativa se espalhem cada vez mais, nos mais diferentes contextos.

E o nosso convidado é o Tiago Henriques, criador de conteúdo e educador no projeto Tira do papel. No projeto, Tiago cria explicações visuais que ajudam pessoas a tirarem seus projetos do papel e fazer acontecer! Nas palavras do mesmo: “Nem ‘vai lá e faz’ nem frases motivacionais – acredito no equilíbrio de botar a mão na massa e encontrar um ritmo saudável de criação que respeite sua rotina e sua saúde mental”. 

Vamos lá!

1. Para você, o que é criatividade?

Conectar (ou combinar) ideias para resolver problemas (ou desafios).
Ou seja, é algo praticável e que pode ser atribuido a muitas áreas da vida.
De pintar um quadro a vender. De negociar seu salário a cozinhar 🙂

2. O quão importante a criatividade foi (ou ainda é!) na sua jornada até aqui?

Sempre foi e sempre será 😀
Nós lidamos com problemas todo dia – eles não somem, apenas mudam.
Ou seja, sempre precisaremos conectar ideias para resolvê-los (minha definição de criatividade).

O real desafio criativo é decidir:
– que tipo de problemas escolhemos resolver para nossa vida?
– como resolvê-los de uma forma mais alinhada com meus valores e objetivos?

3. Você é uma pessoa que já passou por experiências significativas, como mudar de país e de carreira. Como essas mudanças levaram à criação do Tira do Papel?

As mudanças pelas quais eu passei serviram como testes 🙂
Se eu não tivesse testado empregos diferentes, cargos diferentes e conhecido pessoas diferentes eu não validaria nada. Eu teria apenas uma série de suposições e incertezas sobre o que gosto e não gosto de fazer 🙂

Os erros no trajeto tiveram tanto valor (ou mais) que os acertos. O Tira do papel foi um projeto paralelo onde busquei reunir (muitas!) coisas que eu validei que curtia.

4. Você fala bastante em criar conteúdo respeitando a saúde mental de cada um, sem se pressionar demais. Na sua opinião, como podemos evitar o sentimento de “não estou criando o suficiente para o meu público”?

Se nosso processo não for sustentável, ele vai, por definição, destruir nosso projeto.  Por isso, essa pergunta ajuda:

“O que eu consigo criar de forma sustentável hoje?”

Independente do ‘suficiente’. Independente do que me dizem que eu deveria estar fazendo. Mesmo sabendo que (ainda!) não é onde você gostaria de chegar um dia. Quando inserimos o hábito de criar, tudo flui mais fácil. Aumentar a carga se torna possível.

Para mim, é sempre questão de criar um processo sustentável e que te faça gostar de fazer o que você faz. Você não está perdendo tempo mesmo que esteja criando menos do que você considera suficiente. Está apenas construindo uma base forte para poder chegar lá de forma sustentável. Essa base vai aguentar o prédio que você quer construir. Muita gente pula isso – e o prédio cai.

5. Tiago, nos diga: qual é o segredo para ser uma pessoa criativa de maneira constante?

Usando as mesmas palavras da pergunta: “Criando com constância.” Essa resposta é óbvia? Sim! Mas demanda investimento de tempo. Logo, é exatamente o que quem tem esse desafio não quer ouvir. Ela entra para a lista de ‘conceitos óbvios que a maioria das pessoas não colocam em ação’.

Muita gente espera uma solução ‘sexy’ e contraintuitiva. Algo que vá acelerar o processo. Mas resultados incríveis, na maioria das vezes, vêm de conceitos super simples executados com constância x tempo.

Pra finalizar, indique alguma coisa que precisamos passar adiante! (Filme, série, livro, qualquer coisa!)

Se você curte ler, o livro hábitos atômicos e qualquer newsletter ou artigo do James Clear me inspiram 🙂

Se você curte escutar, o podcast do seanwes teve grande influência na minha carreira

Se você curte assistir, os vídeos do Ali Abdaal são muito enriquecedores

Autoestima infantil X Criatividade

Você sabia que o desenvolvimento da autoestima infantil possui impacto direto no desenvolvimento da criatividade das crianças? Antes de falarmos sobre a criatividade, é importante entendermos como se dá o desenvolvimento da autoestima. 

A autoestima infantil

Assim como a criatividade, a autoestima também começa a se desenvolver desde cedo. Existem alguns hábitos que podem contribuir com a atuação dos adultos (pais e professores, por exemplo), na construção da autoestima dos pequenos. 

Pequenas frases, muitas vezes ditas sem a intenção de prejudicar, podem gerar um sentimento negativo e até mesmo um problema no desenvolvimento da relação familiar. 

Frases que podem apresentar consequências para a autoestima das crianças:

  • “Você é muito bagunceiro!”
  • “Você só faz bobagem…”
  • “Aposto que o João não faria isso!”
  • “O João fez a tarefa tão direitinho, por que você não fez?”

Segundo Dorothy Corkille Briggs, autora do best-seller A Auto-Estima do seu Filho, essas sentenças ouvidas na infância viram crenças que podem prejudicar a construção do amor-próprio. O ponto fundamental para o desenvolvimento de uma boa autoestima infantil seria tomar a afetividade como premissa para a educação.

Ao invés de utilizar as frases acima, use opções parecidas com os exemplos abaixo:

  • “Estou triste, pedi para você arrumar a bagunça e você não arrumou.”
  • Estou chateada com o seu comportamento.”
  • “Você gostou de fazer essa tarefa? Qual parte gostou e qual parte não gostou? Me conta.”

Conseguiu identificar a diferença na maneira de se comunicar? São alguns exemplos que mostram para a criança que você se importa, que você está disposto a criar um diálogo para entender o que aconteceu, além de criar uma abertura para falar sobre sentimentos. 

Quando a autoestima de uma criança é baixa, ela terá mais dificuldade para desenvolver a sua criatividade. 

A criatividade é uma habilidade que desenvolvemos a partir de testes, experimentações, fazer algo novo, brincar de uma forma diferente e isso mexe com a nossa segurança. Ser criativo, mesmo que em pequenas atividades da rotina, pode ser arriscado e difícil, principalmente para quem busca a aprovação de um adulto.

Estimule a autoestima através de uma comunicação sincera e educativa, assim as crianças aprendem a conquistar segurança, aprendem a conversar e descobrem a liberdade que possuem para criar. 

Fonte: Revista Crescer

Como transformar a hora do lanche em um momento criativo?

O momento da refeição com as crianças pode ser um grande desafio para os adultos. Seja para manter a alimentação balanceada, o interesse da criança nos alimentos saudáveis ou o foco dos pequenos na hora de comer. Como transformar a refeição em um momento divertido em família? 

Quando levamos a criatividade para os momentos em família, conseguimos quebrar algumas barreiras e transformar o “dever” da criança em um momento que não será visto como obrigação ou algo ruim. A criatividade pode ser grande aliada dos pais, quando o assunto é a alimentação.

Como transformar a refeição em um momento criativo?

Em uma entrevista para a Revista Crescer, a psicopedagoga Irene Maluf, da Associação Brasileira de Psicopedagogia, comenta que a maneira mais importante de cultivar a criatividade de uma criança é deixá-la brincar. 

“Crianças que brincam pouco durante a primeira infância revelam problemas de alfabetização e aprendizagem em geral, pois permanecem imaturas por não terem desenvolvido habilidades iniciais básicas”

Irene Maluf

Entendendo a importância das brincadeiras para o desenvolvimento da criatividade e habilidades básicas, vamos então levar este aprendizado para a cozinha! 

Todo mundo pode participar do preparo! 

Sabemos que a cozinha é um ambiente cheio de armadilhas para as crianças. Seja nos utensílios perigosos ou nos docinhos disponíveis, a nossa primeira dica é organizar a cozinha para que toda a família participe do preparo. 

  • Guarde as guloseimas que possam tirar o foco das crianças;
  • Separe uma atividade que a criança possa fazer, como: lavar os alimentos, escolher os ingredientes (dê algumas opções e deixe a criança selecionar) ou misturar os temperos;
  • Apresente os ingredientes e explique como eles são importantes para a nossa saúde.

Não se esqueça: o momento deve ser leve e descontraído, caso as crianças não tenham jeito com as atividades, não tem problema. A participação é mais importante do que a execução. 

É hora de montar o prato! 

O momento de montar o prato das crianças pode ser ainda mais legal. Aproveite os ingredientes para criar personagens e histórias. Confira algumas dicas: 

  • Macarrão: transforme-o em um cabelão!
  • Tomates, azeitonas, cenouras: podem se tornar olhos, boca e até brincos. 
  • As frutas podem ser uma ótima combinação para cenários coloridos, com grama, flores e animais. 
  • O ovo cozido pode se tornar um personagem muito fofo, como um passarinho ou peixe.
Os exemplos acima são da Revista Casa e Jardim, você pode ver mais opções aqui.

Sabemos que a rotina é corrida e nem sempre vamos conseguir tempo para criar todas as refeições dessa forma. Você pode começar aos poucos, nos finais de semana ou algumas vezes na semana, nos períodos que a família pode estar junta e se dedicar com calma na preparação dos personagens. 

Sem dúvidas as crianças vão sentir a diferença e aproveitar as refeições de uma forma divertida, criativa e educativa!