5 perguntas, 1 indicação: Alex Bretas!

O 5 perguntas e 1 indicação é uma seção do nosso blog em que entrevistamos algumas pessoas que admiramos bastante! A ideia aqui é compartilhar os valores, visões e opiniões de pessoas que usam a criatividade e educação como bases para a sua atuação. Tudo isso para fazer com que as bases de uma educação mais criativa se espalhem cada vez mais, nos mais diferentes contextos.

E o nosso convidado é o Alex Bretas! Mineiro, escritor, designer de comunidades de aprendizagem autodirigida e cantor nas horas vagas, o Alex trabalha e estuda aprendizagem autodirigida e novas formas de aprendizagem. Lançou dois livros: “Doutorado Informal” e “Kit Educação Fora da Caixa”. Hoje, ajuda as pessoas a ter foco, persistir e encontrar tempo na sua rotina para aprender.

1. Para você, o que é criatividade?

Recentemente, lancei junto com outros três coautores (Alexandre Santille, Conrado Schlochauer e Tonia Casarin) o livro “Core Skills: 10 habilidades essenciais para um mundo em transformação”. Um dos capítulos aborda a criatividade. Gosto bastante do conceito que desenvolvemos lá, que diz que ser criativo é a capacidade de enxergar o invisível a partir de combinações inesperadas entre as coisas. A pessoa criativa desenvolve um repertório rico e diverso o suficiente para possibilitar uma “rede de perambulações mentais” que leva à inovação. Além disso, ela entende como funciona seu próprio processo criativo e está conectada a alguma fonte de motivação intrínseca — isto é, algo que a energiza e a faz levantar da cama todos os dias. A criatividade é muito mais provável de emergir quando estamos realizando algo porque queremos e/ou porque faz sentido, em vez de estarmos obedecendo ao comando de alguém.

2. Hoje em dia se fala muito na autonomia como um dos pilares da educação. Na sua visão, que elementos ao longo da história do desenvolvimento dos nossos modelos de educação levaram a essa conclusão? E qual será o papel da autonomia na educação do futuro?

Um primeiro ponto importante é que a autonomia nos processos educacionais é muito mais falada do que praticada de fato. E isso ocorre porque estamos vivendo uma inércia sem precedentes em nossos sistemas de educação: desde o século XVIII, métodos como aulas expositivas, provas escritas e punições e recompensas vêm sendo utilizados. A visão baseada na autonomia e na liberdade das pessoas em perseguirem seus próprios objetivos de aprendizado se fortaleceu a partir de algumas perspectivas da Filosofia, da Literatura e da Psicologia — notadamente em Rousseau, Tolstoi e em certas compreensões da psicanálise. Mas os imperativos da evangelização e da industrialização em massa foram certamente mais fortes do que esses movimentos.

A autonomia é crítica para a educação do futuro porque é a partir dela que as pessoas conseguem criar coisas novas, para além de reproduzirem coisas velhas. Uma educação heterodirigida — isto é, em que o outro dirige o que eu aprendo — invariavelmente gera pessoas e profissionais mais hábeis em reproduzir do que em criar. E o futuro vem com problemas novos que requerem soluções novas.

3. O que significa aprendizagem autodirigida e como ela se aplicaria ao aprendizado infantil?

Aprendizagem autodirigida significa o aprendiz tomando controle sobre seu próprio processo educacional. Nesse processo, ele define o que quer aprender, como, com quem, quando, onde e por quê. Ele decide se e quando faz sentido participar de iniciativas educacionais formais (por exemplo, cursos), e, mesmo nesses espaços, ele busca preservar ao máximo sua autodireção. Aprender de maneira autodirigida, nesse sentido, é o mesmo que aprender sem se submeter.

Blake Boles, cujo livro “A Arte da Aprendizagem Autodirigida” eu traduzi alguns anos atrás, tem uma definição de aprendizado autodirigido baseada em 4 pilares:

  • Estudar ou praticar algo porque aquilo é importante, significativo ou prazeroso pra você;
  • Buscar proativamente as ajudas e parcerias que você precisa ao longo desse caminho;
  • Definir os próprios critérios de sucesso em relação ao seu aprendizado;
  • Assumir a responsabilidade final pelo resultado de seus esforços.

Quanto mais a aprendizagem se reveste desses quatro princípios, mais ela pode ser chamada de autodirigida.

4. Como pais, professores ou profissionais que lidam com educação de forma abrangente podem incentivar o aprendizado autodirigido?

Uma das coisas mais importantes é não atrapalhar. Infelizmente, pais, professores e profissionais da educação de forma ampla costumam atrapalhar muito com suas intervenções e direcionamentos. É fundamental dar espaço, observar de longe e simplesmente deixar a criança, adolescente ou adulto experimentar as situações da vida — tédio, inclusive. E, em paralelo, desenvolver uma conexão íntima de amizade com o aprendiz para que ele sinta que pode recorrer a você, se necessário.

Outra coisa importante é prestar atenção aos contextos, espaços e relações nos quais a criança, adolescente ou adulto habita. Esses elementos têm o poder de moldar decisões e comportamentos. Se o filho tem pais que gostam muito de ler e livros e revistas por toda a casa, não vai demorar para ele demonstrar interesse em leitura por conta própria, por exemplo. As crianças (e também os adultos) são muito influenciados pelo ambiente e pelas pessoas ao seu redor.

5. Qual foi o papel da criatividade na tua jornada do auto aprendizado?

Foi absolutamente fundamental, dado que minha jornada foi acima de tudo um processo de criação, e não de reprodução. A partir de tudo que absorvi sobre projetos, pessoas, redes, conceitos e práticas que me interessavam, sinto que eu “pari” algo único. A “antropofagia” que ocorreu no momento em que eu escrevia os livros resultantes da minha jornada serve de base até hoje para todos os projetos educacionais nos quais me envolvo. Pra mim, percursos de aprendizagem autodirigidos são análogos a processos de nascimento. E não há nada mais criativo do que uma nova vida que emerge no mundo.

Indique alguma coisa que precisamos passar adiante! (Filme, série, livro, qualquer coisa!)

Sempre indico o livro “Educação democrática: o começo de uma história”, de Yaacov Hecht, um educador israelense que foi pioneiro na criação do movimento das escolas democráticas. No capítulo 3 desse livro, Yaacov criou um modelo para explicar como ocorre a aprendizagem que considero “criadora”. É simplesmente maravilhoso.

* Este artigo do Imagine-me foi revisado por Julio Cunha Neto, do Português de Boa.

5 perguntas, 1 indicação: Felipe Zamana!

O 5 perguntas e 1 indicação é uma seção do nosso blog em que entrevistamos algumas pessoas que admiramos bastante! A ideia aqui é compartilhar os valores, visões e opiniões de pessoas que usam a criatividade e a educação como princípios da sua atividade. Tudo isso para fazer com que as bases de uma educação mais criativa se espalhem cada vez mais, nos mais diferentes contextos.

E o nosso convidado desta vez é o Felipe Zamana! Ele é coordenador pedagógico e líder nacional (Portugal) do World Creativity Day e fundador do Criatividade a Sério. É professor de criatividade, pesquisador acadêmico e palestrante TEDx. Atualmente, dedica-se a explorar processos criativos, criatividade aplicada à educação, ao crescimento e desenvolvimento pessoal e, em breve, publicará seu primeiro livro sobre criatividade.

Vamos lá!

1. Para você, o que é criatividade?

A criatividade é um fenômeno social que vai do micro para o macro, do presente para o futuro. Ela começa na nossa cabeça, nas nossas próprias ideias; quando toma forma, ela é apresentada para o grupo de pessoas em que aquela ideia se encaixa, e, então, essas pessoas irão avaliar se a ideia é realmente criativa (ou seja, se é nova, relevante e gerou valor para elas). Como não podemos mudar o passado, trabalhamos no presente para moldar o futuro.

2. A criatividade é um assunto que recebe bastante atenção atualmente. Mas, junto com toda essa exposição, vem muita desinformação. Quais são os mitos mais comuns relacionados à criatividade?

Na maioria das vezes, esses mitos nada mais são do que antigas definições de criatividade. Ou seja, crenças comuns do que se acreditava ser a manifestação criativa antigamente. Acreditava-se que a criatividade surgia através da inspiração divina, por exemplo. Posteriormente, com os estudos da inteligência no início do século XIX, a criatividade passou a ser vista como loucura, talento inato ou até mesmo genialidade, com uma linha muito tênue separando-as.

Hoje em dia, com a sua popularização, surgiram novos mitos que são repetidos como mantras por cada vez mais “especialistas”, perpetuando a desinformação. O maior problema dos mitos modernos da criatividade é que são compostos por meias-verdades, ou seja, abordam apenas parte do que realmente a criatividade representa, e por isso se tornam tão tentadores de se acreditar. Por exemplo, é muito falado que a criatividade é uma “habilidade e/ou ferramenta para solucionar problemas”. Nessa frase aparentemente inofensiva, habitam nada menos do que três mitos modernos da criatividade. Não vou dizer quais são para provocá-lo a refletir (sim, vou mesmo fazer isso!).

3. Como eu posso descobrir qual é o meu tipo de criatividade?

A melhor maneira para descobrir qual é o seu tipo de criatividade é por meio do autoestudo. Apenas entendendo como você funciona e como te dá maior prazer ao criar é que poderá descobrir como a sua atitude criadora se manifesta. Perceba que falei aqui em atitude “criadora”, e não “criativa”. Quem vai decidir se a sua criação é criativa ou não é o grupo no qual ela está inserida.

4. A partir do conhecimento do meu tipo de criatividade, como posso maximizar o meu potencial criativo?

Ao entender como você funciona e qual é a melhor maneira para criar, é possível tornar o processo criativo muito mais prazeroso e, consequentemente, mais produtivo. Se você se diverte ao criar seja o que for, é natural que a qualidade do produto final da sua criação seja superior, pois aquilo te deu prazer ao fazer. Porém, para chegarmos a esse nível de criar com prazer, é preciso nos entender muito bem, ou seja, conhecer todas as peças do motor e seu funcionamento, e não só dirigir o carro.

5. Muito se fala sobre mudanças na relação entre máquinas e pessoas no futuro, em que máquinas irão “roubar” os empregos de muitas pessoas. Na sua opinião, qual será a importância da criatividade como atributo de diferenciação profissional no futuro em comparação ao que acontece hoje?

Atualmente vivemos uma realidade industrial: linear, repetitiva, segmentada e previsível. Consequentemente, a maioria dos empregos que temos hoje é fruto desse tipo de pensamento: que são facilmente substituíveis por uma máquina – que tem capacidade de executar aquela função com maior precisão, segurança e produtividade do que qualquer ser humano. Isso é ótimo, porque nenhum ser humano se sente realizado, útil e relevante num trabalho assim. Para nos sentirmos realizados, úteis e relevantes, precisamos de liberdade para criar, sermos capazes de dar asas para nossa própria imaginação. Só assim seremos realmente felizes e satisfeitos em nossas vidas.

O ser humano é naturalmente criador. Por isso, não me impressiona que estejamos substituindo essas funções repetitivas e monótonas por máquinas. Entretanto, não há por que temê-las, pois elas nos substituirão apenas nessas funções. Qualquer função que exija criatividade e uma visão mais generalista de mundo, que consiga integrar e relacionar diferentes áreas, dificilmente será substituída por uma máquina. Investir na criatividade é investir naquilo que nos faz humanos, sendo a melhor aposta para o profissional do futuro.

Indique alguma coisa que precisamos passar adiante! (Filme, série, livro, qualquer coisa!)

Os livros do Austin Kleon (@austinkleon)

Documentário Everything is a Remix, do Kirby Ferguson (disponível no Youtube)

A Universidade Criativa, por onde lançarei um curso sobre Criatividade em breve 😉 (@universidade.criativa)

* Este artigo do Imagine-me foi revisado por Julio Cunha Neto, do Português de Boa.

5 perguntas, 1 indicação: Manuela Bisognin Custódio!

O 5 perguntas e 1 indicação é uma seção do nosso blog em que entrevistamos pessoas que admiramos bastante! A ideia aqui é compartilhar os valores, visões e opiniões de quem usa a criatividade e a educação como pontos-chaves para a sua atuação. Tudo isso para fazer com que as bases de uma educação mais criativa se espalhem cada vez mais, nos mais diferentes contextos.

E a nossa convidada de hoje é a Manuela Bisognin Custódio! A Manuela é professora, mãe, empreendedora, curiosa e “desacomodada”, como ela mesmo diz. (Hahaha!) Formada em Letras – Inglês, Mestre em Ensino de Línguas e Especialista em TIC Aplicadas à Educação, ela já trabalhou com ensino de língua inglesa para pré-adolescentes, adolescentes e adultos, em vários ambientes – escola, curso livre e pré-vestibular, por exemplo. Hoje, Manuela é professora do curso de Letras da Universidade Franciscana, em Santa Maria – RS (onde trabalha na formação de futuros professores) e sócia/diretora/professora da Escola de Idiomas PBF, da Fundação Fisk – também em Santa Maria. Vamos lá!

1. Para você, o que é criatividade?

Para mim, criatividade é o exercício de nossas habilidades de inspiração, inovação, autenticidade e transformação. É a maneira com a qual eu me reinvento em cada situação, a partir da minha visão de mundo. Penso que a curiosidade, o timing e a experiência permitem colocar tua criatividade em prática.

2. Como ser mais criativo no dia a dia?

No dia a dia, precisamos estimular nossas habilidades. Precisamos olhar o que nos cerca de forma mais inspiradora e, para cada momento, sermos mais intuitivos, curiosos, autênticos. Cada situação te permitirá e exigirá uma reação diferente, e é aí que a gente se reinventa. A vontade de se adaptar, de não se acomodar – aliada à busca, pesquisa e estudo – leva-nos à criatividade. 

3. Você acha que aprender um idioma novo tem impacto no potencial criativo da pessoa?

Muito! Aprender idiomas te permite conhecer outras culturas, costumes, mundos e visões diferentes. Assim como a criatividade é fundamental para estimular o interesse do aluno e motivar seu aprendizado, o idioma te proporciona acessar mais informações, aumentando o teu repertório e permitindo fazer mais associações!

4. Como atividades lúdicas impactam o aprendizado dos alunos?

Muitas pessoas pensam que ludicidade é “coisa de criança”, mas quem não adora uma dinâmica ou atividade diferente em sala de aula?! Não existe idade limite para estimular a aprendizagem, ainda mais se for mais dinâmica e próxima da realidade do aluno. Tanto alunos quanto professores conseguem visualizar melhor o que estão aprendendo ou estudando por meio de atividades mais leves, cheias de objetivos e significados, porém criativas, “diferentes” do tradicional. Elas te tiram do teu ponto de referência e estimulam ainda mais o exercício mental. 

5. Quais atividades você recomenda para os pais utilizarem em casa como forma de complementar o aprendizado do inglês da escola ou do curso?

Como professora, eu recomendaria diversas atividades, apps, livros… Agora, como mãe que tenta fazer os filhos de cobaia e professora, eu recomendo que os pais busquem inserir o idioma na rotina da casa. Seja ao assistir a desenhos e filmes, ao ouvir músicas, ler pequenas histórias ou até mesmo nas atividades mais essenciais, como chamar para almoçar, “mandar” para o banho, pedir que lave a louça ou que faça as tarefas da escola. Falar sobre viagens, países e culturas, mesmo que em português, mexe com a curiosidade! Tentem mostrar o idioma de forma natural, sem pressão, correção ou estudo de regras. Deixem que o idioma, seja ele qual for, apareça naturalmente na rotina. 

Indique alguma coisa que precisamos passar adiante (Filme, série, livro, qualquer coisa)!

Para estudar idiomas e conhecer o mundão aí fora, nada melhor do que ir à fonte! Tem perfis muito legais de nativos que nos dão verdadeiras aulas!!

Um perfil que super indico é do @talktoross. Irlandês apaixonado pelo Brasil, ele dá show ao falar de história, cultura e curiosidades. Um jeito diferente de aprender a aprimorar o idioma, sem focar o estudo mais tradicional da língua.

Para quem prefere perfis sobre pontos específicos da gramática da língua inglesa, indico o @corkenglishteacher. O John é uma mistura de gramática ambulante, com aplicação do inglês no dia a dia. Ambos têm canal no Youtube também. 

* Este artigo do Imagine-me foi revisado por Julio Cunha Neto, do Português de Boa.