Leitura para crianças: um caminho (divertido!) para o desenvolvimento infantil

leitura para crianças

Você foi uma criança leitora? 

Na verdade, já sabemos a resposta para essa pergunta.

Afinal, se está lendo esse texto então, é bem provável que sim! Você provavelmente foi incentivada desde cedo a formar um hábito de leitura, e deve ter muitas lembranças de ler coisas na escola e de escrever textos nas aulas.

Você quando criança, provavelmente

Especialmente, deve recordar com carinho de ver seus pais ou cuidadores lendo bastante, e de dividir muitos momentos de leitura com eles. Afinal, ainda que vários fatores influenciem o gosto pela leitura (muitos mais do que caberia em um post de blog!), podemos afirmar com bastante convicção que talvez o principal seja a influência dos pais ou tutores

E este texto está aqui para mostrar isso!

Se você foi uma criança leitora, então podemos afirmar com bastante certeza que é muito provável que seus pais fossem leitores (ávidos) também. E, se é pai ou cuidador hoje em dia, então se grude nessas dicas e fomente o gosto pela leitura nos seus pequenos também, assim como fizeram com você quando criança.

O papel dos pais na leitura para crianças

É comum achar que o hábito de leitura nas crianças é algo de responsabilidade da escola. Afinal, aulas de português e literatura são também para criação e consumo de histórias literárias. Mas, desenvolver o gosto pela leitura é uma tarefa que somente se fortalece na escola – ela começa em casa

O hábito da leitura sendo formado em casa

Ainda que os profissionais de educação infantil desempenhem um papel crucial na consolidação do gosto pela leitura, criando uma ponte entre esse hábito e as competências que a criança precisa desenvolver para navegar bem no mundo, sem a base leitora desenvolvida em casa até mesmo a melhor professora do mundo terá dificuldades.

Por mais estimulante e acolhedor à leitura que for o ambiente escolar, com materiais e dinâmicas adequados à faixa etária das crianças, sem a predisposição criada em casa… todos esses recursos são em vão!

É por isso que os pais desempenham um papel tão importante em moldar o interesse pela leitura nos pequenos. Com um ambiente doméstico que favorece a leitura desde cedo, as crianças chegam muito mais preparadas para formalizar esse hábito, focalizando-o para o desenvolvimento de várias habilidades. Expandir o vocabulário, criar histórias e pensar de forma criativa são só alguns exemplos delas. 

Por onde começar para incentivar a leitura para crianças?

Agora que ficou claro como o papel do tutor no desenvolvimento do gosto pela leitura é central, a pergunta que fica é: como então o pai, mãe ou cuidador pode melhor desempenhar essa função na prática

O tutor é responsável por guiar a criança pelo universo mágico da leitura

Para início de conversa, um dos melhores jeitos de desenvolver o gosto pela leitura na criança é ler na presença dela. As crianças aprendem em grande parte pela imitação e quando veem os pais envolvidos na leitura, sentem-se motivadas a fazer o mesmo, de forma natural.

E isso é ainda mais verdade quando elas veem os pais tendo prazer na leitura. Assim, elas percebem que a leitura não é só uma atividade que traz informação e conhecimento, mas que pode sim ser uma grande fonte de satisfação deixar-se envolver com uma história. Dessa forma, as crianças naturalmente se interessam ainda mais em buscar mais e mais histórias. 

O exemplo dos pais é uma poderosa influência na formação dos hábitos dos filhos no geral e isso é especialmente verdade para os que têm a ver com ler.

E, se ela tiver livros à disposição pela casa… o palco está montado! Sem nem mais precisar da tutoria ou curadoria dos pais ou professores, você passará a ver a criança, autônoma e pró-ativamente, a buscar a leitura pela leitura. E nem precisam ser livros propriamente ditos, revistas ou mesmo gibis já são uma excelente porta de entrada nesse universo.

Mas, além de dar o exemplo, melhor ainda é contar histórias – e desde cedo. Ler antes de dormir (ou mesmo em qualquer momento do dia), conversar sobre histórias e, como vimos, principalmente dar o exemplo através da própria leitura, são algumas das iniciativas mais importantes que um tutor pode tomar nesse sentido.

Crianças leitoras tem maior capacidade de foco e desenvolvem seu pensamento crítico e criativo mais facilmente.

3 maneiras de estimular a leitura para crianças

Separamos aqui embaixo algumas dicas específicas de dinâmicas e atividades para consolidar o gosto pela leitura nas crianças. Anote e experimente:

1️⃣ O bom e velho dicionário!

Dicionários são grandes aliados para expandir o vocabulário, além de ser uma ótima pedida para, claro, aprender significados.

Que tal estimular uma “corrida” pra ver quem acha a palavra primeiro? Além de ser divertido, faz com que a criança aprenda na prática a entender a “ordem alfabética” que as palavras estão colocadas no dicionário.

2️⃣ De leitor para… escritor

Estar na posição de quem cria histórias pode ser um grande incentivo para gostar de consumir histórias.

Use e abuse da criatividade para facilitar a criação literária: por exemplo, mude um personagem ou um evento significativo de uma história clássica, e desenvolva, junto com a criança, como ela ficaria a partir dessa mudança!

3️⃣ Criar histórias malucas

Um dos principais fatores que desincentivam as crianças a formar um hábito de leitura ou escrita é a pressão para ler ou escrever bem. Por isso, inventar e experenciar histórias malucasque não tem muito método na sua criação nem pretensão de arrebatar multidões ou ganhar prêmios de qualquer tipo – pode ser uma das melhores formas de aliviar essa pressão nos pequenos.

Experimente, por exemplo, abrir um livro em uma página aleatória e selecionar uma palavra qualquer dessa página: essa será a temática da história fantástica que vocês deverão criar agora!

Você sabia que existe um jogo para criar histórias malucas?

Ele ajuda a desenvolver muitas habilidades, como a capacidade imaginativa; o pensamento lateral, a capacidade de improvisação; senso de colaboração; além de, claro, ajudar a leitura e interpretação. É o Criaventura.

Crie histórias malucas (como essa aí embaixo) usando o Criaventura e desenvolva habilidades cognitivas e emocionais para a vida!

Tutor, invista na promoção da leitura, pois ela é um caminho valioso para o crescimento do vocabulário infantil e o despertar de uma paixão pelos livros que acompanhará as crianças ao longo de suas vidas.

Vamos, juntos, abrir as portas para um mundo de conhecimento e imaginação através da leitura?

Um abraço!
Equipe IMAGINE-ME

Fonte:
https://monografias.brasilescola.uol.com.br/pedagogia/a-importancia-leitura-infantil-para-desenvolvimento-crianca.htm

Que tal iniciar as crianças no mundo da fotografia infantil?

fotografia infantil

Com a facilidade de acesso ao celular pelas crianças hoje em dia, a fotografia infantil é uma possibilidade cada vez mais presente no horizonte das famílias. Guardar momentos, registrar lembranças.. mas que tal a gente fazer algumas atividades para instigar e gerar mais interesse pela fotografia por parte das crianças?

Vamos do princípio: o que é a fotografia?

A origem etimológica de “fotografia” vem do grego e quer dizer “gravar com luz“: “foto” (luz) e “graphein” (escrever, gravar).

criança praticando fotografia infantil
Fotorgrafar é como compor um texto: só que se usa o olhar e a luz ao invés do papel e caneta!

Fotografia é criação, é experimentação, é registro!
E todo momento é um momento para tirar fotos. 

A primeira fotografia propriamente dita foi obra do francês Joseph Niépce (1763-1828), no ano de 1826, mas as  primeiras experiências fotográficas de químicos e alquimistas datam de cerca 350 a.C. A primeira fotografia colorida seria criada alguns anos depois, em 1861, pelo físico escocês James Clerk Maxwell (1831-1879).

Benefícios da fotografia infantil

A fotografia é uma arte que envolve muita criatividade. Ainda, é uma ótima maneira para que as crianças possam se expressar e também é um exercício para estimular o poder de observação das crianças, desde cedo.

É um meio interessante para que a criança possa aprender a se adaptar: usualmente, o fotógrafo é quem se adapta ao ambiente – já que nem sempre há um cenário preparado em estúdio para tirar fotos. Visualizar a melhor maneira de captar uma boa imagem exige calma, observação e experimentação – e diferentes abordagens acabam em diferentes resultados. Isso pode ser benéfico para que os pequenos aprendam que, ainda que num mesmo ambiente, podem alternar pontos de vista para propostas muito diferentes de outras.

Como facilitar a fotografia infantil?

Que tal começar fazendo uma experiência? Bora fazer uma câmara escura numa caixa de sapato? Vamos deixar um vídeo do Museu de Arte Sacra de São Paulo que explica direitinho como fazer. 😀

Mas, se você preferir, pode começar com o celular mesmo – caso não haja acesso a alguma câmera – digital ou analógica. Segue aqui algumas umas dicas para começar, na prática, a inserir as crianças no mundo da fotografia:

📷

Primeiro, podemos explicar alguns recursos simples, como zoom, foco e flash.

🖼️

Mostre como fazer um bom enquadramento, centralizando um objeto, por exemplo, e também mostrando o que é a linha do horizonte.

🔦

Trabalhar luz e sombra: testar e mostrar os mesmos detalhes com iluminações diferentes.

🎞️

Deixe eles brincarem! As primeiras fotos vão sair ruins, provavelmente, mas com o tempo dá pra ir mostrando a evolução e eles entenderem o que pode ser diferente.

🐕

Utilize temas! Vá em um passeio e foque em um tema: pessoas, paisagens, objetos.. cada resultado vai ser diferente e pode despertar o gosto por algum tipo de foto específico na criança.

🖨️

Imprima as fotos! Ver as fotos no papel é uma maneira de que as crianças possam recontar aquele momento, ou explicar o que estavam querendo fazer/mostrar naquela hora. E por que não, depois de imprimir, recortar as fotos e mesclar com colagens, com desenhos, e aproveitar as fotografias para expandir o momento artístico?

👨‍🎨

E MAIS: que tal utilizar as cartas do Imagine-me para criar desenhos que podem estar inseridos dentro das fotos que a criança tirou? 

Aproveite esses momentos de ‘aulas fotográficas’ para passar mais tempo com as crianças e fazer parte da experiência! Estar presente é ótimo para qualquer atividade – aprender e explorar junto com eles ajuda a se sentirem seguros e confiantes.

Boas fotos!
EQUIPE IMAGINE-ME

Fontes:

https://www.tuiuti.edu.br/blog-tuiuti/diga-x-uma-breve-historia-da-fotografia
https://www.fotografia-dg.com/interesse-criancas-por-fotografia/
https://labedu.org.br/dicas-de-fotografia-para-criancas/
https://www.todamateria.com.br/historia-da-fotografia/
https://soumamae.com.br/beneficios-dos-cursos-de-fotografia-para-criancas/

Bloqueio criativo nas crianças: 4 dicas para lidar!

bloqueio criativo

A infância é um período muito importante para o desenvolvimento da nossa criatividade. Incentivar o desenvolvimento desde os primeiros anos de vida é parte de um crescimento saudável e capaz de proporcionar vários benefícios no futuro, contribuindo até mesmo para o sucesso na vida acadêmica e profissional de cada um. Ao mesmo tempo, um bloqueio criativo pode gerar frustração e até mesmo traumas que podem acompanhar a criança durante a sua vida inteira.

Jean Piaget, psicólogo conhecido por seu trabalho em desenvolvimento infantil durante o século 20, certa vez disse: “A infância é o tempo de maior criatividade na vida de um ser humano.”. Por isso é necessário que se incentive e exercite a criatividade e a imaginação desde cedo! Tanto na família quanto no ambiente escolar, a criatividade pode tanto ser amplificada quanto tolhida. 

Assim, precisamos valorizar e incentivar a expressão criativa das crianças!

Mas e quando a criança fica sem ideias?

Será que elas conseguem identificar isso?
Ou elas apenas ficam irritadas e não sabem o porquê?

crianças com bloqueio criativo
……………………………..

Sabe aquelas conexões que só as crianças são capazes de fazer? Elas são Reflexo da imaginação e criatividade a mil dos pequenos! Acontece que os bloqueios mentais impedem esse fluxo criativo – e aí vem aquele ‘branco’, aquela falta de ideias e um momento onde elas não sabem bem o que está acontencendo mas ‘nenhuma ideia vem!‘ (quem nunca ouviu isso? heheh).

O mais importante é reconhecer esse sentimento para entender e fazer algo a respeito.

Mas o que posso fazer com relação a esse bloqueio criativo?

Aqui mesmo no nosso blog já demos dicas de como estimular a criatividade infantil e também dicas de como ter uma rotina criativa com as crianças. É importante conversar com a criança para saber como ela está se sentindo quando estiver sem ideias ou num bloqueio criativo. Não faça tempestade em copo d’água: faça alguns exercícios diferentes da rotina e mãos à obra!

É necessário, além de deixar o pensamento da criança fluir de maneira solta, incentivar através de exercícios ou atividades benéficas para o desenvolvimento da criatividade:

1

Atividades onde cada um escolhe um animal e tem que pensar: “como meu animal reagiria a x situação?”

Crie concursos de coisas inimagináveis, como “qual a frase mais longa” ou ainda “qual o nome de animal mais comprido que você consegue criar?“. Ou ainda pode usar o Cria+: Desafio para ficar mais instigante o concurso! 😄

2

3

Desenhe qualquer coisa a partir de uma combinação de 3 palavras aleatórias! Ou ainda, utilize o Imagine-me para ajudar a desbloquear as ideias

4

Não faça nada!

Criar um espaço vazio na cabeça e na rotina é fundamental para a criação de novas ideias.

bloqueio criativo o que fazer
Com licença, estou fazendo nada, obrigado.

E aí, já aconteceu um momento desse com seus filhos ou seus alunos?
Como foi que você conseguiu lidar?
Escreva para nós nos comentários como você lidou com essa situação 👇

Enquanto você vai pensando, dê uma olhada nos jogos educativos que recomendamos aí em cima. O Combo Imagine-me e o Cria+: Desafio são excelentes recursos para desinibição criativa, especialmente em crianças! 

Que a criatividade flua!
EQUIPE IMAGINE-ME

Fontes: Canal Big Bag, Ih Criei, Domestika, Guia do Futuro, Gazeta do Povo, Boxkids e Viver de blog.

Atividades com sons na educação

Atividades com sons na educação? Sim!!!! ✅✅✅

Sons podem ser uma ferramenta muito importante no aprendizado, tanto na educação dos filhos em casa como na dos alunos em sala de aula, e mesmo dos pacientes no consultório infantil.

Vamos começar com um exercício de imaginação:

Quando você pensa na sua infância, ou sua juventude, que cenas ou coisas lhe vêm à cabeça?

.
.
.

Alguns cheiros característicos?

Talvez um cheirinho do almoço de domingo, ou o cheiro da grama molhada?

Talvez alguns sons?

O som de um cigarra em uma tarde de verão, ou talvez uma músicas específica?

E que tal sensações?

A dor de um machucado de cair da bicileta, ou o vento no rosto em um passeio de carro?

Independentemente, certamente, você lembrou majoritariamente de muitas imagens mentais! E essa preferência acontece porque somos, principalmente, seres visuais.

Só que isso não impede, claro, que usemos nossos outros sentidos para entender o mundo à nossa volta, nos nos comunicar e, portanto, aprender! Então, apure esses ouvidos e vamos explorar essa nova fronteira de aprendizado!

Atividades com sons na educação são construídas com base em “ouvir” ou “escutar”

Já falamos aqui no blog da Imagine-me sobre a falta de atenção e concentração… E a forma pela qual ouvimos tem tudo a ver com essas competências. Afinal, a audição é um sentido muito importante quando pensamos em como prestamos atenção às coisas que nos cercam.

Atividades que usam sons na educação então, tem tudo a ver com treinar habilidades de atenção. Mas, não só isso: nossa memória, inteligência emocional, capacidade imaginativa…. todas são características que são otimizadas quando entende-se que o som pode sim ser um recurso pedagógico e terapêutico tão valioso quando os táteis ou visuais.

Mas, para funcionar corretamente, atividades aplicam uma distinção muito importante: a grande diferença entre ouvir e escutar. Você sabe qual é? Veja, em uma animação muito legal do canal TedED, as diferenças entre os mecanismos físicos e psicológicos que atuam juntos para nos permitir escutar e ouvir (lembre de ligar as legendas em Português!):

Pensando em miúdos, podemos definir a diferença entre ouvir e escutar assim:

Ouvir

Remete à audição mesmo, àquilo que o ouvido capta.

Escutar

É entender aquilo que está sendo captado.

Você já parou pra pensar quantas vezes a gente está ouvindo algo mas não está realmente prestando atenção? Pois é, não temos escutando!

Ao nascer, temos as orelhas prontas.. mas a audição ainda será desenvolvida realmente durante a infância – através de reconhecimento de sons, atenção, localização de fonte sonora e muitos outros momentos auditivos.

“Memória auditiva é a capacidade de aprender ouvindo. Treinar a atenção aos sons, a discriminação auditiva e o sequenciamento de sons ajuda a tornar a memória auditiva mais eficiente.”

Leiturinha

Por isso, é importante proporcionar um ambiente rico em estímulos, e promover atividades estimulantes como conversar com os bebês, dar atenção à fala das crianças, cantar, ler e contar histórias com entonação ou simulando efeitos sonoros, e assim por diante!

Algumas atividades com sons na educação

Pensando nisso, separamos aqui algumas dicas de atividades com sons que você pode usar na educação, seja na sala de aula ou em casa: 😉

Atividades com sons na educação: memória sonora

1. Lembranças sonoras

No começo aqui do texto falamos um pouco sobre a ideia de memória sonora! Que tal propor uma atividade que explore essa nossa capacidade de recordar e associar ideias usando os sons que já experenciamos no passado?

Passo 1️⃣

Defina uma data específica (pode ser somente um ano ou mês específicos, ou mesmo uma data exata) ou uma quantidade de X anos / meses / dias atrás.

Passo 2️⃣

Crie uma lista de todas as coisas, elementos, sensações e emoções que essa data traz para você. Busque não racionalizar: simplesmente anote tudo o que vier à mente!

Passo 3️⃣

Vendo a sua lista: quantas delas são sons? Analisando as que não são uma a uma, elas evocam algum som? O quanto o som faz realmente parte da sua memória dessa data?

Atividades com sons na educação: associa(sons)ções

2. Asso(m)ciações

Se antes recordamos ideias usando sons, aqui vamos associar ideias!

Funciona assim:

Passo 1️⃣

Separe folhas e material de desenho. Divida uma folha em 6 partes, dobrando-a pelas metades.

Passo 2️⃣

Agora, toque um som aleatório. Você pode buscar sons no Youtube*, por exemplo, ou em bibliotecas grátis como a do Dreamstime ou Freesound.

* Tente pesquisar por “amostras de som” ou “sons de ________” ).

Passo 3️⃣

A tarefa é registrar 6 coisas (palavras, ideias, objetos, eventos, ações, personagens, o que for!), uma em cada espaço da folha, que esse som remete!

Atividades com sons na educação: criando música

3. Sinfo[m]ia

Essa é um pouco mais complexa, mas muuuito interessante! Aqui o desafio é ser um compositor de uma música usando sons feitos por você mesmo.

Siga o passo a passo:

Passo 1️⃣

Primeiro, usando um app de gravação de sons no celular (muitos já vem com ele instalado de fábrica, se não você encontra várias alternativas grátis na sua loja de aplicativos), grave uma seleção de vários sons que você consiga fazer com seu corpo ou com objetos do seu entorno.

Passo 2️⃣

Agora é hora de misturar esses sons! Usando apps de celular como o AudioLab (que são super intuitivos e fáceis de usar) você pode sobrepor e ir compondo essa sua melodia muito criativa!

Passo 3️⃣

Na sequência, dê um nome para a sua composição. Ou experimente que outra pessoa crie sua própria música usando os mesmos elementos que você usou e compare o quão parecido ou diferente as composições ficaram.

Pensando em implementar algumas dessas atividades? Permita-se experimentar e depois nos conte como foi 😊

Um abraço!
EQUIPE IMAGINE-ME

Fontes: Leiturinha e Papo da Professora Denise.

Histórias para crianças criativas e diferentes

criança diferente e criativa

Você já parou para pensar no papel que histórias para crianças tiveram (ou, ainda tem) na sua vida?

Certamente você se lembra de ter familiares ou educadores contando histórias para você, ou como você consumia histórias em quadrinhos, em séries de TV ou em livros! Histórias são tão presentes quem afinal, o que não é a própria cultura, se não uma grande história que nos contamos e reforçamos?

Histórias são tão importantes para nós, como sociedade, que não é um salto muito grande afirmar que histórias estão nada menos do que na base do que nos faz humanos.

Não é a toa, então, que um bom tanto de nosso aprendizado quando crianças é mediado por histórias. Afinal, histórias tem um papel essencial para o desenvolvimento infantil. Na educação infantil, ou mesmo na terapia infantil, livros de histórias são ferramentas fundamentais não só para desenvolver a leitura, mas para o desenvolvimento linguístico e cognitivo das crianças como um todo.

Os benefícios de histórias para crianças

Histórias infantis trazem diversos benefícios para as crianças. Olha só alguns deles:

histórias para crianças criativas

No texto de uma história, palavras desconhecidas aparecem dentro de um contexto que permite ampliar o vocabulário.

Parar para ouvir uma história ajuda a desenvolver a habilidade de atenção auditiva.

ouvindo histórias para crianças
histórias infantis

Lendo, desenvolvemos nossa empatia pois conseguimos “viver outras vidas“, que podem ser muito diferentes da nossa.

Histórias nos mostram como entender e organizar o mundo à nossa volta. Elas nos ajudam a criar nossos modelos mentais!

criança diferente e criativa

e assim por diante!

Aprendemos em torno de histórias: histórias contadas, inventadas, rimadas, criadas a partir de sequências de figuras, em texto, aúdio ou mesmo vídeo… Não importa o formato ou a mídia: todos os tipos nos comovem, sensibilizam e nos desenvolvem como indivíduos!

“Contar, ouvir e recontar histórias é a base do processo de aprendizagem.”

Rosângela Marostega
fonoaudióloga infantil

Onde encontrar histórias para contar para crianças?

Mas (e esse é um grande mas!), onde achar histórias interessantes? Nossa tradição, por exemplo, está cheia delas, mas o problema é que:

Problema 1

As histórias clássicas, como a dos 3 Porquinhos ou do Patinho Feio enjoam facilmente com o tempo.

Problema 2

As histórias tradicionais são atemporais, mas algumas carregam muitos preconceitos e visões defasadas das épocas em que foram criadas!

Problema 3

Histórias de filmes animados costumam ser extremamente formulaicas e entregam tudo pronto para a criança, sem muito espaço para a criatividade ou a imaginação!

Pensando nisso, separamos aqui 3 histórias criativas que, com toda a certeza, você não viu em lugar nenhum. São histórias diferentes das que você normalmente vê por aí, e você pode usá-las como histórias de ninar, como o tema para uma brincadeira artística de construir cenários ou personagens, ou mesmo só para entreter seus pequenos.

Preparado(a)? Então aqueça o gogó e …

Era uma vez...”


histórias para crianças 1

Uma história para contar para crianças:

Um ninja de museu

Durante a noite, dentro de um museu, reinava um silêncio absoluto. Em meio ao silêncio e à escuridão, uma figura quase passou despercebida: era um ninja, que furtivamente havia invadido o museu! Mas por qual motivo ele estava lá? Ele tinha ido roubar uma obra de arte valiosíssima, que o seu clã buscava recuperar.

Para conseguir tomar posse da obra de arte, o ninja fez uma série de ações completamente inesperadas, inclusive visitar o museu durante o dia, vestindo um traje de piloto de avião, para ver onde ficavam as câmeras de segurança. Após tomar posse da obra, o ninja rapidamente saiu do museu, e ao chegar em um lugar seguro, inesperadamente tentou quebrar a moldura do quadro! Ele insistiu, mas como estava muito difícil, o ninja apelou e deu uma super mordida no canto da moldura. Acredite ou não, foi assim que ele finalmente a quebrou.

De dentro da moldura, o ninja retirou uma chave. Segundo a lenda milenar contava, essa chave abriria o baú ancestral, que continha um portal para o santuário da Deusa Atena, na Grécia, local que era habitado pelos mais poderosos guerreiros que já existiram. Será que o ninja vai até lá sozinho?


histórias para crianças 2

Uma história para contar para crianças:

Um engano egípcio

Era noite de circo! A tenda, toda colorida, abrigava gente de todos os tipos e idades. Homens, mulheres, idosos e crianças, muitos até com seus animais de estimação junto! Apesar de toda essa diversidade, o que todos tinham em comum era o fascínio com o que acontecia, naquele exato momento, no picadeiro.

A múmia malabarista do circo, levitando no ar somente por um balão, fazia seu número de malabares no ar com tochas pegando fogo. Mas, a cada arremesso, as tochas jogadas no ar se aproximavam perigosamente do balão! A múmia, compenetrada no espetáculo como era, não percebia o perigo que corria. Como que em câmera lenta, todos na plateia prenderam a respiração enquanto observavam as tochas chegarem cada vez mais perto… e perto… e peeeeerrttooooo….. até que…. PUM! Com um estouro, ela começou a cair em direção ao chão!!!!!

Não deu tempo nem de piscar: logo depois só se ouviu um CATAPLOFT!!! “Oh não….” todos pensaram. Ao abrir os olhos, enquanto todos esperavam uma geleia de múmia no chão, se maravilharam ao descobrir que a múmia havia caído exatamente em cima do elefante! Que sorte, hein múmia? Mas melhor cuidar mais da próxima vez e jogar as tochas a uma distância segura, viu?


História para crianças 3

Uma história para contar para crianças:

Dolores, pipocas e um sonho

Estava calor – um dia perfeito para ir ao parque de diversões. Dolores, uma múmia que morava num sarcófago perto dali, decidiu dar um passeio e foi até o parque. Ela se encantou pelos balões que eram vendidos ali e comprou um. Amarrou em uma de suas tiras e achou bonito demais, decidiu comprar mais um. E mais um. E mais um!

Quando se deu por conta, por ter amarrado tantos balões nas suas tiras, ela estava voando! Tinha certeza que ia acabar beijando os céus! Começou a pedir ajuda e o pipoqueiro, vendo aquela cena, não pensou duas vezes: começou a atirar pipocas para estourar os balões. Demorou um pouco mas ele conseguiu trazer a múmia de volta para o chão, ufa! A múmia agradeceu muito a ajuda e perguntou se ela podia fazer algo por ele. O pipoqueiro comentou que o sonho dele era viajar e a múmia não teve dúvidas: deu de presente ao pipoqueiro alguns balões e amarrou todos na cintura dele. Ele começou a voar – desesperado pois não era bem o tipo de viagem que ele tinha imaginado – e a múmia saiu feliz e satisfeita por ter ‘atendido o desejo’ do seu salvador. O pipoqueiro acabou indo parar numa ilha onde ele descobriu dinossauros – mas isso fica para uma ouuuutra história…



Essas 3 histórias diferentes foram criadas com o jogo educativo Criaventura, da Imagine-me.

Que tal criar as suas também?

Você, pai ou mãe, conta pra gente: onde você busca as histórias que você conta para seus pequenos?

E você, terapeuta infantil, usa histórias como ferramenta terapêutica nos seus atendimentos?
Conta pra gente nos comentários.

Um abraço!
EQUIPE IMAGINE-ME

Falta de atenção e concentração infantil: tem jeito?

atenção infantil

Problemas como dificuldade de memorização, falta de atenção e concentração infantil são mais comuns do que se imagina!

Um estudo conduzidon pela YouGov, empresa de pesquisa britânica, por exemplo, apontou que um em cada quatro professores afirmam que as crianças que estão começando a frequentar as aulas não conseguem seguir instruções básicas, além de outras dificuldades, incluindo a capacidade de se concentrar por curtos períodos de tempo.

Afinal, todo mundo sabe quão dispersa e animada pode ser a vida das crianças!

O problema é que, apesar de essa movimentação toda ser essencial para o desenvolvimento das crianças, toda essa energia pode acabar causando uma boa dose de problemas de atenção excessivamente dispersa e dificuldades de concentração. Em um mundo hiperconectado e com excesso de estímulos a todo o momento como o nosso então, aprender a melhor canalizar a atenção fica ainda mais importante!

Pensando nisso, separamos aqui algumas dicas de exercicios para melhorar a concentração infantil e lidar com dificuldade de memorização e atenção infantil (e, quem sabe, de adultos também). Boa leitura!

Testando a concentração infantil

atenção infantil
O que marshmallows nos ensinam sobre foco e atenção infantis

Na década de 60 o psicólogo Walter Mischel, da Universidade de Stanford, conduziu um estudo para testar o autocontrole infantil. Crianças de 7 a 9 anos eram deixadas sozinhas em uma sala com apenas uma mesa e uma cadeira e, em cima da mesa, um marshmallow. Elas eram informadas de que, caso esperassem até o pesquisador voltar à sala para comer o doce em cima da mesa, iriam receber um outro depois. As mesmas crianças foram acompanhadas anos depois, já adultas, quando constatou-se que aquelas que conseguiam esperar a recompensa em dobro tiveram mais sucesso na vida adulta.

O que pouca gente sabe é que o estudo foi repetido em 2019, desta vez por pesquisadores canadenses. E, desta vez, com muito mais crianças! Eles usaram os dados de 2850 meninos e meninas em idade pré-escolar e, 30 anos depois, avaliaram como estavam se saindo. E os resultados se repetiram: mostraram que as crianças que conseguiram manter o foco e não comer o doce acabaram sendo mais bem-sucedidas no futuro, e que as que foram mais sociáveis durante o experimento acabaram tendo melhores salários na vida adulta.

Ou seja, está mais do que claro que tanto o foco quanto a sociabilidade são componentes importantes para prever o sucesso no futuro!

concentração infantil em brinquedo educativo
Na vida assim como no jogo: disciplina, resiliência e persistência costumam levar ao sucesso.

Jogos e brinquedos educativos para enfrentar a falta de atenção e melhorar a concentração infantil?

Os brinquedos ‘do mundo real’ podem ajudar não só em questões (muito importantes, diga-se de passagem) como entretenimento, habilidades comunicacionais, interação social e coordenação motora, mas também na concentração! Jogos de concentração e atenção infantil possibiltiam que o jogador tente desvendar um mistério, resolver um quebra-cabeça ou enigma, tentar criar um novo personagem.. tudo isso faz com que a criança precise passar um tempo pensando e exercitando a concentração.

Reparou no grifo na palavra “precise” no parágrafo anterior? Não é por acaso, pois essa é a chave: é através da dinâmica lúdica da brincadeira educativa que se consegue estimular a criança a canalizar sua atenção para a tarefa divertida do jogo! A brincadeira acaba sendo aquele empurrãozinho que faltava para que a criança, sem nem perceber, se force a condicionar-se a melhor usar esse recurso tão importante que é a sua capacidade de atenção!

E o melhor é que esse treinamento pode ser feito tanto em atividade escolares quanto no momento de diversão em casa.

Que tal aproveitar e escolher o brinquedo educativo Imagine-me ideal para exercitar a memorização, atenção e concentração do seu pequeno? 😊

Assista ao vídeo para ver um jeito de estimular o foco e a atenção usando o jogo educativo Criaventura, da Imagine-me:

Depois aproveite e confira o Criaventura (e os outros jogos e brinquedos educativos) na loja 🙂

Um abraço!
EQUIPE IMAGINE-ME

Fontes: Revista Crescer e Blog da Rihappy 🙂