Timidez: como vocĂȘ pode ajudar o seu filho?

A timidez em bebĂȘs e crianças Ă© muito comum! Por isso Ă© importante entendermos, como adultos, de que forma podemos contribuir com o desenvolvimento saudĂĄvel destas crianças. 

O que é timidez? 

É importante refletirmos sobre este ponto, antes de mais nada. A timidez nĂŁo pode ser vista como um defeito ou um tipo de barreira que deve ser “vencida” pela criança. Esse tipo de percepção pode gerar pressĂŁo por parte dos pais, o que Ă© muito prejudicial. A timidez Ă© vista como um traço de temperamento, como se fosse parte da personalidade da pessoa. 

É muito comum colocarmos as crianças em situaçÔes que as deixam tĂ­midas, como situaçÔes sociais em que as crianças precisam interagir com desconhecidos. Este tipo de episĂłdio pode deixar qualquer criança acanhada e sem jeito, isso nĂŁo faz com que ela seja mal educada. Lembre-se que vocĂȘ jĂĄ descobriu como interagir com adultos que acabou de conhecer e as crianças ainda estĂŁo aprendendo como funciona. 

A timidez Ă© genĂ©tica ou um tipo de resposta comportamental? 

Segundo Thalia Eley, professora de genĂ©tica do desenvolvimento e do comportamento no King’s College London, apenas cerca de 30% da timidez como caracterĂ­stica se deve Ă  genĂ©tica. O resto funciona como uma resposta ao ambiente. A rotina e as vivĂȘncias sĂŁo quase mais importantes para desenvolver esses tipos de caracterĂ­sticas. 

Como vocĂȘ pode ajudar crianças tĂ­midas a se sentirem mais confortĂĄveis?

  • Seja paciente com a criança

DĂȘ um tempo para que a criança se sinta segura para interagir com o desconhecido. Incentive o adulto a conversar e brincar com a criança, em tom de voz amigĂĄvel. 

  • Afastamento gradual

Durante situaçÔes sociais, esteja com a criança e quando ela se sentir segura, vocĂȘ pode se afastar de forma gradual. NĂŁo deixe a criança sozinha no primeiro momento.

  • Seja aberto e encoraje seu filho

A timidez pode gerar uma superproteção por parte dos pais, fazendo com que a criança sinta mais medo ou receio de ficar sozinha. Seja aberto e encoraje a independĂȘncia saudĂĄvel: “Sei que vocĂȘ nĂŁo conhece as pessoas que estĂŁo aqui, eu conheço algumas e vou conversar com elas. Vamos junto comigo?”. 

VocĂȘ pode encorajar a independĂȘncia, sempre prezando pelo cuidado e lembrando a criança de nĂŁo conversar com estranhos, sem a presença de algum responsĂĄvel. 

  • Pense sempre no exemplo 

As crianças nos observam o tempo inteiro, mesmo quando estĂŁo envergonhadas, elas ficam de olho. AlguĂ©m disse “oi” para vocĂȘ? Retribua o cumprimento. VocĂȘ tambĂ©m pode mostrar como lida com adultos que nĂŁo conhece, para que a criança possa refletir sobre este exemplo quando encontra crianças que ainda nĂŁo conhece. 

  • Incentive encontros para brincar

Seja na sua casa ou na casa dos amiguinhos, ter encontros com crianças pode ser um Ăłtimo incentivo. VocĂȘ pode marcar o primeiro na sua casa, para estar presente e a criança se sentir mais confortĂĄvel. 

  • ComparaçÔes nĂŁo ajudam em nada

“Seu irmão nunca foi assim”, “Parece bicho do mato”. Este tipo de afirmação, mesmo que em tom de brincadeira, não contribui com o desenvolvimento e causa sentimentos negativos nas crianças. 


Conviver com crianças tĂ­midas pode ser um desafio maior aos adultos. O nosso papel Ă© muito importante para estimular as relaçÔes sociais, mas nĂŁo torne este pequeno detalhe um grande problema nas relaçÔes da criança. O melhor que vocĂȘ pode fazer Ă© incentivar e dar apoio para que a criança se sinta acolhida e segura para ser ela mesma. 

Fontes: 

BBC

BebĂȘ Abril